À descoberta do Sul da Índia, uma viagem na mítica moto Royal Enfield, pelos estados do Kerala e Karnataka, entre 6 e 21 de Março de 2010. Partindo de Kochi rumo a Goa, por estradas junto à costa e incursões pelos Ghats Ocidentais, vamos conhecer as gentes, os mosteiros e templos, admirar as paisagens, visitar reservas naturais .... enfim, juntar dois amores: Viajar e andar de moto.

Se apareceu pela 1ª vez, leia do fundo para cima ou use os tópicos no lado direito da página. Se está a voltar, obrigada. Em qualquer dos casos, se tiver comentários, são muito bem-vindos.

Goa é Goa

Sexta-feira, dia 19 de Março de 2010 (Fim da Viagem)

Goa é Goa. Nem parece a Índia que estamos habituados. É Goa, outro mundo. Assim que passamos a fronteira do estado, tudo mudou. A estrada tem um piso de alcatrão recente, linhas brancas bem marcadas, as vacas desapareceram, os rickshaws também. O trânsito é intenso mas normal, civilizado. Vamos descobrir Goa.

A estrada interior para Palolem é das mais bonitas que fizemos até agora. Parece uma estrada das histórias de fadas, verde lindo, espaços abertos cultivados emoldurados de coqueiros, curvas suaves que acompanham braços de rio e o mar, cheiro a especiarias. O sol desenha um fantástico rendilhado na estrada através dos frondosos ramos das árvores. Casas pequenas, cuidadas, pintadas de cores vivas, alpendres, vãos de telhados desencontrados, muros brancos. Rolar nesta estrada é como estar num concerto de música clássica, sentidos despertos, emoções da natureza. As praias na costa de Palolem apetecem mudar de vida, largar a civilização e sentar na areia branca, à sombra dos coqueiros a olhar o mar infinito.

A estrada interior de Margão é uma excelente alternativa à nacional 17. Trânsito suave, moderado, ambiente rural. Uns quilómetros antes de Panjim fica Velha Goa, um museu a céu aberto, um desfile de igrejas que o império construiu, locais de culto cristão que ainda mantêm umas réstias do esplendor de outrora. Uma pequena vila transformada numa correnteza de lojas, turistas, parques de estacionamento, pedintes e vendedores de rua. A Sé catedral, a Basílica do Bom Jesus, a Igreja de S. Francisco de Assis ou as ruínas da Igreja de S. Agostinho dispersam as atenções dos turistas e esgotam as máquinas fotográficas.

Panjim è uma cidade aninhada na foz do rio Mandovi. A marginal ao longo do rio é o ponto de referência para nos orientarmos nas pequenas ruas e becos com nomes de personalidades portuguesas de outro século. As casas, de traça colonial, com varandas franjadas, recuperadas ou semi-destruídas lá estão a marcar uma época em que se falava português. Os mais velhos falam a língua com orgulho, contam sobre os familiares que vivem no continente, perguntam de onde somos, dizem-nos o que visitar na cidade.

Por todo o lado se vêm lojas com nomes “da Silva”, “Sousa”, “Sequeira”, a Confeitaria Italiana é a sede do núcleo sportinguista de Goa, o restaurante do Ernesto e do Vasco, dois irmãos com remota ascendência lusa são uma referência de simpatia e hospitalidade, dão indicações sobre a cidade, contam os costumes, é o ponto de encontro para matar saudades de um bom bife e de comida sem picante.

Distância: 183 Km
Percurso: Gokanna – Ankola – Karwar – Palolem Beach – Maogoa - Panaji



















.

6 comentários:

  1. Gostei de ouvir dizer que Goa é uma terra magnífica de gente simpática, com uma fantástica herança cultural e arquitetónica produzida nos tempos do E.I.P e com boas vias de comunicação, uma jóia dentro da União Indiana.Parabéns aos motoqueiros incansáveis pelas informações transmitidas sobre a Índia. Felicidades para todos. Pereira

    ResponderEliminar
  2. Tenho adorado seguir a vossa aventura! As fotos, e principalmente a crónica, leva-nos quase até ao pé de vocês! Obrigado e resto de boa viagem :-)

    ResponderEliminar
  3. Sempre tive a ilusão de Goa até porque trabalhei com uns quantos Goeses. Gente do melhor! Gostei de ver todas essas minhas ilusões aqui confirmadas!

    ResponderEliminar
  4. Espectacular viagem. Deve ter sido de sonho. Está muito bem escrita. Gostei muito de ler. Parabéns.

    ResponderEliminar
  5. Obrigado Paula pela simpática e bem escrita crónica "Goa é Goa"
    Felicidades!
    Um goês

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar